Ceasa e IDR-Paraná firmam termo de cooperação técnica

A Ceasa Paraná e o Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná – Iapar-Emater firmaram termo de cooperação técnica financeira para ações integradas voltadas ao desenvolvimento rural e a inserção de agricultores familiares no processo de comercialização de hortigranjeiros.

“Já temos um trabalho com os nossos agricultores cadastrados junto aos nossos cinco mercados no Estado. Esta nova ação busca aprimorar ainda mais essa parceria, que contribui para o desenvolvimento sustentável do setor”, diz Éder Eduardo Bublitz, diretor-presidente da Ceasa Paraná.

Neste contexto, a Agricultura Familiar vem adquirindo uma nova configuração. A partir de novas interfaces, são gerados outros desafios e oportunidades, sobretudo no processo de comercialização, o qual proporciona novas possibilidades de negócios. “O termo de cooperação técnica vem no âmbito maior do que simplesmente oportunizar mais um local para a comercialização. Estamos buscando a profissionalização dos agricultores familiares, propondo e incentivando o uso de tecnologias de produção, sustentáveis e implantando uma gestão profissional nas propriedades rurais”, explica Antônio Leonardecz, diretor-técnico da Ceasa.

Para o IDR-Paraná, esta parceria propiciará, através de ações integradas, a inserção qualificada de agricultores familiares e suas organizações no processo de comercialização da Ceasa. “Esta cooperação vai aproximar ainda mais as instituições quanto ao desenvolvimento de políticas públicas de Ater (Assistência Técnica e Extensão Rural), organização e comercialização da produção”, destaca Hernani Alves da Silva, gerente de Projetos e Cadeias Produtivas do IDR-Paraná. Segundo ele, os produtores assistidos do Instituto serão beneficiados em vários aspectos. Eles também participarão com um projeto de profissionalização de olericultores e fruticultores, utilizando-se de técnicas de gestão e agrícolas no sistema produtivo.

“Este trabalho integrado tem um propósito maior”, afirma Antônio Leonardecz. Para ele, além da produção e comercialização, o objetivo é fomentar as economias locais e regionais, reduzindo as disparidades. “Proporcionamos uma reestruturação produtiva, com uma dinâmica econômica, social e ambiental, promovendo um desenvolvimento para a qualidade de vida dos agricultores familiares”, acrescenta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *