Comunidade internacional confirma nesta quinta Paraná como área livre de febre aftosa sem vacinação

O Paraná será reconhecido oficialmente como área livre de febre aftosa sem vacinação nesta quinta-feira (27). O certificado internacional, emitido

O Paraná será reconhecido oficialmente como área livre de febre aftosa sem vacinação nesta quinta-feira (27). O certificado internacional, emitido pelo comitê técnico da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), é o desfecho de uma luta de mais de 50 anos do Estado contra a doença e representa uma conquista histórica para o setor agropecuário paranaense. Por causa da pandemia da Covid-19, a cerimônia ocorrerá de forma virtual, durante a 88ª Sessão Geral da Assembleia Mundial dos Delegados da OIE, em Paris, na França.

A anuência da comunidade internacional para a conformidade da proteína produzida em solo paranaense terá forte impacto em toda a cadeia produtiva, com geração de emprego e renda. O Paraná já é o maior produtor e exportador de produtos de origem animal do País, com liderança em avicultura e piscicultura. Vice-líder na suinocultura e na produção de leite e ovos, com boas perspectivas de ganhar ainda mais mercado.

NÚMEROS

O Paraná é o maior produtor de carne do País. Sozinho, é responsável por 33% da produção nacional de frango e 21,4% em piscicultura, liderando os setores. Ocupa o segundo posto em relação à carne suína, com 21% da produção brasileira e mantém a vice-liderança na produção de leite (13,6%) e ovos (9%).

Já na pecuária bovina de corte, o Paraná aumentou em 2,48% a produção entre os dois anos. Foram 269.569 toneladas em 2020 contra 263.048 do ano anterior. O Estado é nono em produção, com o oitavo maior rebanho do País.

Somadas, as carnes de frango, suíno e bovino do Paraná totalizaram 5.789.525 toneladas, representando 22,3% do total do Brasil. Os dados são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). “É uma conquista em nome daquilo que sabemos fazer de mais pujante, que é ser bom na produção de comida, entre elas liderar a produção de proteínas animais”, comentou o secretário de Estado da Agricultura e Abastecimento, Norberto Ortigara.

HISTÓRICO

 O último foco de aftosa no Paraná foi em 2006 e, desde então, o Governo do Estado trabalha para aumentar o controle sanitário. A vacinação nos rebanhos de bovinos e bubalinos contra a febre aftosa foi interrompida em 31 de outubro de 2019 e deu lugar a um amplo trabalho de cadastramento. O reconhecimento nacional como Área Livre pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento aconteceu em agosto de 2020. Em março deste ano o Comitê técnico da OIE validou Paraná para ser Área Livre de Aftosa sem Vacinação.