Dentista de cavalos: muito além da estética

Natural de Botucatu, Lívia Androcióli construiu carreira como médica veterinária em Porto Barreiro. Ela exerce uma função pouco conhecida: atua

Natural de Botucatu, Lívia Androcióli construiu carreira como médica veterinária em Porto Barreiro. Ela exerce uma função pouco conhecida: atua com odontologia equina, ou seja, é dentista de cavalos.

De acordo com Lívia, a maioria dos cavalos da região são destinados à prática esportiva do laço comprido. Ela atende em municípios como Laranjeiras do Sul, Nova Laranjeiras, Porto Barreiro e Rio Bonito do Iguaçu. Os acompanhamentos são feitos a cada seis meses. “Na nossa região já tem bastante cliente contando com esses serviços.”

O que muitos não  sabem, é que os cavalos costumam sofrer de dor de dente – que não para de crescer. “O dente de um cavalo pode crescer 3 milímetros por ano. No procedimento odontológico é feito um desgaste nos excessos de esmalte dentário, ajustando essa mordida e melhorando a biomecânica da mastigação, proporcionando melhor trituração da fibra alimentar”, explica.

Importância do dentista para o animal

A odontologia equina, segundo Lívia, tem importância que vai além da questão da saúde do animal. “A finalidade é restaurar o equilíbrio da mordida do cavalo, para melhorar a mastigação, bem como o aproveitamento e a digestão dos alimentos. É importante ser feita também antes da doma dos animais, para retiradas dos dentes de lobo, que não possuem função na mastigação, mas que incomodam muito na embocadura usada durante o processo de doma”, diz.

Portanto, essas manutenções não possuem função estética, mas são fundamentais na performance do animal no esporte, pois o cavalo aproveita melhor o alimento, o que gera bem estar.

Sinais de desconforto

Entre os sinais de desconforto ou problemas dentários apresentados pelos cavalos, está a resistência ao comando pela embocadura no esporte. Além disso, também é possível notar: perda de massa corporal, brilho no pelo, agressividade ou apatia, perda no rendimento e dificuldade para mastigar ou engolir, cólicas, salivação excessiva durante a mastigação, sangue na saliva, grãos inteiros caindo da boca ou de forma nítida nas fezes, movimentos de torção com a língua, perda de peso, arrancadas repentinas e resistência ao comando pela embocadura como havia comentado.