Deputada repudia violência em julgamento e se solidariza com a jovem blogueira Mariana Ferrer

“É uma luta também de homens que respeitam as mulheres e que defendem, junto com a gente, uma outra realidade, mais humana e mais fraterna para todos”

A deputada estadual Luciana Rafagnin (PT), que integra a Comissão de Defesa dos Diretos das Mulheres na Assembleia Legislativa do Paraná, usou suas redes sociais para manifestar repúdio à violência institucional e omissão praticadas pelas autoridades presentes no julgamento do caso de estupro contra a jovem blogueira Mariana Ferrer e para se solidarizar com a vítima. “Lamentável! Mas, mais do que lamentável, é inaceitável a violência institucional praticada contra a jovem, reforçando e aumentando o sofrimento causado pela violência sexual que ela sofreu e corajosamente denunciou”, disse a parlamentar paranaense em nota.
Para Luciana, “as cenas que vimos desse processo exibiram flagrantes de injustiça e de omissão, infelizmente, próprios da sociedade machista e patriarcal que vivemos”, destacou.
  A deputada ainda lembrou que “é contra opressões assim que as mulheres lutam e se organizam” e que essa “é uma luta também de homens que respeitam as mulheres e que defendem, junto com a gente, uma outra realidade, mais humana e mais fraterna para todos”.
“Nossa solidariedade à Mariana Ferrer”, concluiu. As imagens a que a deputada se refere repercutem nos noticiários, nas redes sociais e chocam pelo absurdo da situação vivida por Mari Ferrer, que reforçam a impunidade de agressores e a culpabilização das mulheres em situação de violência. O termo que tem traduzido a situação, o tal do “estupro culposo”, faz com que a repercussão também projete e escancare o vexame e a revolta que o episódio indefensável causa, argumentou Luciana.
 

Fique por dentro de todas

Se inscreva e receba as melhores notícias do Correio do Povo direto no seu e-mail