Escolas de Pinhão iniciam debates para conscientização sobre o suicídio

O projeto “Valorização da Vida: Educar para Conscientizar” foca não apenas nos alunos, mas também em todos os profissionais do meio educacional

Muitas crianças e adolescentes ficaram expostas ao trabalho infantil durante a pandemia. Além disso, por conta dos problemas advindos do período complicado e do isolamento social, aumentou o número de casos de alunos com ansiedade e depressão.

Levando isso em consideração, durante este ano em Pinhão, as atenções se voltam em prol da saúde mental. Com o intuito de promover a disseminação e discussão do tema, o projeto ligado ao “Valorização da Vida: Educar para Conscientizar”, ligado ao “Setembro Amarelo”, já está sendo colocado em prática no município.

O objetivo é a ampliação do debate sobre o tema, despertando o interesse pelo assunto nas escolas, nos alunos, nos gestores, funcionários e professores. Conforme especialistas do projeto, toda a equipe escolar pode e deve auxiliar de alguma forma nessa batalha interna, que eles mesmos podem estar passando, sem que ninguém perceba.

Outro ponto defendido pela iniciativa, é que ações de combate a depressão e prevenção do suicídio, quando implementadas na escola mostram um entendimento mais amplo de como perceber os sentimentos dos alunos. É mais do que necessário adotar métodos para que seja possível realizar abordagens com toda a comunidade escolar, e que essas ações não sejam percebidas como julgamento.

Pensando dessa forma, a rede pública de Pinhão, busca orientar os alunos e profissionais da educação dentro do ambiente escolar. A intenção é que o tema seja tratado não como um tabu, mas que tenha a visibilidade que merece. Para isso, o CRAS Volante, uma iniciativa caracterizada pelo deslocamento de profissionais até lugares distantes, a fim de levar um serviço e conhecimento, busca prevenir a ocorrência de situações de vulnerabilidade e riscos sociais nos territórios, atuando como mediador da execução deste projeto.

Discussão pela conscientização

Inicialmente, o projeto será trabalho nas escolas do interior, com alunos do 6º e 3º ano do ensino médio. Coordenadas pelos profissionais de psicologia, Ricardo Correa de Almeida e Sandra Freitas, a iniciativa vai contar com diversas atividades. A principal são palestras, um dos meios de atuação direta da campanha Setembro Amarelo, que quer enfrentar o problema de frente. E nesse caso, é imprescindível falar sobre o assunto abertamente, por meio de rodas de conversa, que incentivam o diálogo, contribuindo para que os alunos deem sua opinião sobre o tema, compartilhem ideias e tirem dúvidas.

Outro fator construtivo da promoção dessa discussão é o desenvolvimento das habilidades socioemocionais, como: autoconhecimento, empatia e resiliência, características que permitam que as crianças e adolescentes saibam lidar melhor com suas emoções e com quem os cerca.

Os conteúdos abordados incentivam a reflexão sobre as vulnerabilidades. Isso gera um foco maior quanto a valorização da vida, criando um ambiente escolar melhor, mais unido, acolhedor e que saiba respeitar as diversidades.

Através do CRAS e do CRAS Volante, a secretaria de Assistência Social vem realizando, desde o mês de abril, ações nas escolas e colégios do interior do município. As atividades contam com palestras da Campanha de Valorização a Vida e de Ações Estratégicas do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (AEPETI).

Acompanhe nossas redes sociais e fique por dentro das novidades

 |   |   |   | 

Fique por dentro de todas

Se inscreva e receba as melhores notícias do Correio do Povo direto no seu e-mail