No Paraná, 30% das mortes por covid-19 ocorreram em 2021, afirma Secretaria de Saúde

Expectativa, segundo o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto, é que até maio 4 milhões de paranaenses estejam vacinados.

Por Alep

Durante a prestação de contas quadrimestral obrigatória da Secretaria de Estado da Saúde (SESA) na Assembleia Legislativa do Paraná, na manhã desta terça-feira (9), o secretário da pasta, Beto Preto, foi enfático: o Paraná atravessa o momento mais crítico da pandemia da Covid-19 desde o início dela, em 2020.

“Cerca de 30% dos óbitos dos paranaenses por Covid aconteceram neste ano e a aceleração tem relação com a chegada da nova cepa”, alertou, sobre a presença da variante amazônica do Coronavírus no Paraná, a P.1. “Esta cepa é mais contagiosa, mais rápida e faz a evolução da doença acontecer de forma mais objetiva, o que faz com que as pessoas possam se curar mais rápido, mas também piorar rápido”, explicou o secretário.

Ele frisou também que o tempo médio de permanecia dos pacientes em leitos hospitalares no Paraná elevou-se em 11%. “Uma pessoa ficava 12 dias internada, agora fica em média 14 dias”, afirmou o secretário. Segundo o diretor de gestão em saúde da SESA, Vinícius Filipak, houve em um ano um aumento de 85% nas internações de UTI além de 58% no número absoluto de pacientes internados. “É um período complicadíssimo”, salientou.

A audiência pública, comandada pelo presidente da Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa, deputado Doutor Batista (DEM), contou com a presença do presidente da Casa, deputado Ademar Traiano (PSDB). “O Poder Legislativo dará todo o apoio necessário para cada medida que deva ser tomada. Temos um olhar sobre todos os aspectos da crise, mas o governante deve ter liderança para tomar as decisões que ache necessárias, o que tem sido feito pelo governador e pelo secretário”, afirmou Traiano.

“A cada momento é um fato novo que surge, a responsabilidade pesa sobre os ombros do secretario e sua equipe, que tem feito todo o possível para minimizar os impactos da doença sobre nossa população. O momento é crítico nesta semana e na semana que vem. Temos que ter consciência da responsabilidade que pesa sobre nós. Cada um tem uma opinião e é importante esta conversa e troca de informações”, disse o presidente do Legislativo.

Segundo o primeiro secretário da Assembleia Legislativa, deputado Luiz Cláudio Romanelli (PSB), o momento é desafiador. “Fizemos um esforço desde o ano passado para o repasse de recursos à área da Saúde e ao mesmo tempo um repasse de R$ 100 milhões para que o Estado faça sua aquisição assim que ela estiver disponível. Porém, a cada dia que passa o Ministério da Saúde altera o volume e os prazos e essa imprevisibilidade traz insegurança ao calendário da secretaria da Saúde”, explicou, destacando também os R$ 37,7 milhões do Fundo de Modernização da Assembleia Legislativa destinados ao combate da Covid-19, que foram aplicados na contratação de leitos de enfermaria e UTI e na compra de equipamento de proteção individual para os profissionais da saúde.  

Vacinas 

Sobre o ritmo de vacinação no estado, o secretário Beto Preto explicou que o Governo do Estado tem cobrado a Coordenação-geral de Imunizações do Ministério da Saúde para receber as vacinas, ou comprá-las, assim que for possível. “A nova fábrica da Fiocruz vai passar a produzir 700 mil doses diárias da vacina AstraZeneca Oxford. A governabilidade disso não está em nossas mãos, mas eu confio na condução tanto da Fiocruz quanto do Instituto Butantan”, afirmou o secretário.

“O que não pode acontecer foi o que aconteceu em março”, falou, sobre a redução do número de doses anunciada pelo Ministério da Saúde, de 37 milhões para 23 milhões de doses para o Brasil todo. Ainda de acordo com ele, a programação é que até o final do mês de maio estejam vacinados no Paraná (que tem população equivalente a 5% dos brasileiros) 4 milhões de pessoas, entre os com mais de 60 anos de idade, com comorbidades e doenças crônicas, ente outras categorias.

“Quero fazer um compromisso de que qualquer novidade de compra ou de novas cargas que cheguem ao Paraná terão todos os dados disponibilizados pela Secretaria da Saúde à Assembleia Legislativa, nossa parceira, e aos 54 deputados preocupados com este processo em suas regiões e bases de atuação parlamentar”, garantiu o secretário Beto Preto.

O secretário informou ainda que 1.300 novos leitos hospitalares foram abertos no estado em conjunto com a rede hospitalar paranaense, seja do Estado, filantrópica ou privada. “Nos últimos 15 dias, montamos o equivalente a dois hospitais de campanha completos, porém dentro dos hospitais já existentes”, frisou.

Também participaram da reunião, que aconteceu de forma híbrida a partir do Plenário da Assembleia Legislativa, os deputados: Hussein Bakri (PSD), líder do Governo; Michele Caputo (PSDB); Arilson Chiorato (PT); Cristina Silvestri (CDN); Evandro Araújo (PSC); Márcio Pacheco (PDT); Ricardo Arruda (PSL); Homero Marchese (PROS); Mabel Canto (PSC); Plauto Miró (DEM); e Luciana Rafagnin (PT).

Ainda: o diretor-geral da Secretaria de Estado da Saúde, Nestor Werner Junior; e a diretora de Atenção e Vigilância em Saúde do órgão, Maria Goretti David Lopes.

Balanço 

As despesas, receitas e ações da Secretaria de Estado da Saúde no último quadrimestre de 2020 foram apresentadas aos parlamentares em cumprimento ao artigo 36 da Lei Complementar Federal 141/2012.

De acordo com o diretor-geral da pasta, Nestor Werner Junior, que também relatou um balanço geral da secretaria em 2020, o Paraná teve recorde de investimento na área no ano passado, registrando R$ 4,19 bilhões investidos, ou 12,96% do orçamento do Estado. “O percentual obrigatório mínimo é de 12%. Nosso investimento foi superior ao que é exigido constitucionalmente. Este número é o mais alto dos últimos 10 anos”, reforçou.

Ele destacou ainda a queda no índice da mortalidade materno-infantil. “Pela primeira vez na história do Paraná, temos um percentual inferior a 10%. Conseguimos uma grande redução em relação a 2019, atingindo o índice de 9,5% em 2020 com ações que garantem que os paranaenses nasçam bem e com saúde em nosso estado”.

Segundo o diretor, em 2020, englobadas todas as fontes e recursos disponíveis (entre eles os repassados pela Assembleia Legislativa) 86,42% do montante foi despendido em ações de combate ao Covid-19.

De acordo com o secretário, o Paraná fechou o ano de 2020 com média móvel de mortes e casos em queda. “A ocupação de leitos no encerramento do ano era de 56%. O número de testes realizados no Paraná no ano passado foi de 1.407.870”.

O cenário atual é de 722 mil casos e 12,5 mil mortes até o momento. O numero médio de mortes é de 57 por dia, acima da média nacional. “Vemos um expressivo aumento de internamentos nos últimos dias”, alertou.

“Muito preocupado. Assustador. Falávamos no começo da pandemia e achavam que a gente estava exagerando. Estamos preocupados com a saúde dos profissionais e da pulação do Paraná”, disse. “Faço um apelo. Usem água e sabão, usem máscara. Se cuide porque você está cuidando da sua família e de toda a população do Paraná”, disse o presidente da Comissão, deputado Dr. Batista.

Fique por dentro de todas

Se inscreva e receba as melhores notícias do Correio do Povo direto no seu e-mail