Plataforma para ajudar no diagnóstico da Covid-19 é criado pelo Coppe

A plataforma CovidScan reúne tomografias de pulmão e raios X de tórax e a partir dessas imagens, ela utiliza padrões que tanto aumentam como reduzem a densidade pulmonar

A plataforma digital CovidScan foi desenvolvida para apoiar profissionais de saúde na identificação e diagnóstico da Covid-19 e começou a ser testada na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Ela foi desenvolvida pela Petrec, empresa criada no Laboratório de Métodos Computacionais em Engenharia (Lamce) do Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-graduação e Pesquisa de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Coppe/UFRJ).

Segundo a Petrec, a CovidScan é um módulo da plataforma HealthScan e a ideia não é ficar centrado somente na Covid-19, mas ampliar o uso para outras patologias.

O diretor-executivo da Petrec, Josias José da Silva, disse que os pesquisadores vão manter a parte de inteligência artificial (IA) em nuvem, de forma que ela vai se aprimorando e aprendendo cada vez mais ao longo dos anos, à medida que o uso também vai se ampliando em outras unidades.

A computação em nuvem é uma tecnologia que permite a distribuição dos seus serviços de computação e o acesso online sem a necessidade de instalar programas. “A gente consegue, com o tempo, estar aumentando a inteligência [artificial]”, disse.

Imagens

A plataforma CovidScan reúne tomografias de pulmão e raios X de tórax. A partir dessas imagens, ela utiliza padrões que tanto aumentam como reduzem a densidade pulmonar. “A gente consegue definir qual a parte do pulmão que tem esses acometimentos que tanto reduzem como aumentam essa densidade, e também a quantidade percentual do volume do pulmão total”, explicou Silva.

Segundo ele, isso é feito atualmente “no olho” e a máquina consegue definir com precisão qual é o percentual do pulmão que está acometido com aquela enfermidade. “Esse é o objetivo da plataforma”.

As imagens são classificadas por tipo de patologia, com o objetivo de facilitar o prognóstico médico. A comparação das imagens do pulmão do paciente com imagens previamente classificadas pode colaborar com o médico no diagnóstico da doença e na tomada de decisão, seja pela internação imediata, ou no tratamento mais adequado.

Testes iniciados

O sistema foi configurado no mês passado na Fiocruz e a fundação depende da liberação de uma porta do tomógrafo pelo fabricante do equipamento para começar os testes práticos no dia a dia médico, o que deve ocorrer na próxima semana.

As imagens são classificadas por tipo de patologia, com o objetivo de facilitar o prognóstico médico. A comparação das imagens do pulmão do paciente com imagens previamente classificadas pode colaborar com o médico no diagnóstico da doença e na tomada de decisão, seja pela internação imediata, ou tratamento mais adequado. O trabalho tem a colaboração do professor Alexandre Evsukoff da Coppe.