“Uma perda de propriedade de toda a população”, diz Marcelo sobre Cinemateca

Um galpão da Cinemateca Brasileira, na zona oeste de São Paulo, pegou fogo na noite desta quinta-feira (29), e destruiu

Um galpão da Cinemateca Brasileira, na zona oeste de São Paulo, pegou fogo na noite desta quinta-feira (29), e destruiu parte do acervo da instituição, a maior da área na América Latina.

Para Marcelo Lima, diretor geral do Instituto Sprinkler Brasil, esse e outros incêndios que colocaram em risco patrimônios culturais brasileiros poderiam ser evitados com investimento. “Não tem a vontade política e a vontade de gastar dinheiro com isso”, afirma Marcelo.

Causas

De acordo com o Corpo dos Bombeiros, a principal hipótese é de que as chamas tiveram origem durante a manutenção do ar-condicionado do local, que se expandiu para três salas, consumindo completamente materiais de filmes e impressos.

A Secretaria Especial de Cultura disse ter pedido à Polícia Federal para investigar o problema. Em abril, ex-funcionários da Cinemateca já haviam alertado para o risco de incêndio por causa da deterioração da estrutura do museu.

Segundo Lima, a tecnologia para esse tipo de prevenção já existe, mas o problema é maior e o incêndio expõe uma trajetória de descasos.

“Uma goteira que fica estragando o prédio por anos não dá notícia”, explica o engenheiro. Para o diretor, o perigo desse tipo de acontecimento é a rapidez com que o fogo pode se alastrar até incinerar o acervo.

O fogo na Cinemateca não é um fato isolado. Outras instituições, como o Museu da Língua Portuguesa, em 2015; e o Museu Nacional, no Rio, em 2018; também queimaram. No caso do Museu Nacional, houve perda de 80% do acervo – coleções inteiras foram destruídas, como a coleção com 12 mil insetos, e itens egípcios, como múmias e sarcófagos.

Marcelo Lima avalia que o setor cultural do Brasil precisa de apoio para evitar esse tipo de incêndio no futuro. “Uma perda em um prédio desses não é simples, é uma perda de propriedade de toda a população.”