Colégio Gildo é tomado pela expressão da sensibilidade na ‘Noite da Poesia’

O evento faz parte do trabalho desenvolvido pela professora Sirlei Fátima Kurta que há anos traz a poesia para o cotidiano de seus alunos

A Noite da Poesia do Colégio Estadual Professor Gildo Aluísio Schuck destacou o talento dos alunos do 6º e 7º ano do ensino fundamental para a arte do poema. Além da participação do poeta laranjeirense Gerson Luiz Boldrini e de Claudia Terezinha dos Santos Motta caracterizada como a personagem Lady Flor, a presença ilustre foram os pais dos alunos, que prestigiaram os filhos declamando poemas no palco.

O diretor do colégio Elcio de Bona, no cargo desde 2016, relata que a inclusão do ensino fundamental no início do ano passado veio para somar à instituição. É grande a procura dos pais pelo colégio, além de novos projetos e eventos somarem-se ao cotidiano escolar. Elcio destaca o quão bonito e emocionante foi perceber o prestígio dos pais pela apresentação dos filhos. O momento despertou a poesia e a literatura, fazendo a diferença na vida dos alunos. “Esse é um trabalho fantástico que a professora Sirlei desenvolve aqui no colégio, despertando a poesia, a literatura, fazendo a diferença”, disse ele. “Ficamos muito felizes de ver os pais presentes, vibrando, com o olhar contente, apreciando essa fase que o filho está vivendo”.

Foto: Correio do Povo

Abrir a mente para a sensibilidade

Convidada para uma participação especial, Claudia Motta se revestiu como a personagem Lady Flor para interagir e contar uma história aos alunos, além, é claro, de declamar um poema. A professora aposentada, trabalhou durante anos no colégio Gildo e no momento, realiza o trabalho de contação de histórias nas escolas municipais, principalmente. “Eu sei que há muito tempo a Sirlei faz esses projetos em outras escolas”, conta Claudia. “Esse trabalho é um diferencial, porque a rotina da escola, as atividades, o conteúdo, apesar de necessário, são bastante maçantes. Um trabalho diferente, no caso, poesia, envolve os alunos, colocando-os como protagonistas, onde eles participam, escolhem, dão opinião, ajudam a organizar um evento. Eles são colocados em uma posição de crescimento muito grande”.

Para Claudia, trabalhar com poema é trabalhar com conteúdo, mas proporcionando uma vivência mais próxima da arte, da expressão de sentimentos.

Ela ressalta a admiração que tem por Gerson e pela professora Sirlei, que o convida para eventos de poesia. Gerson, além de poeta, é engenheiro, um homem das exatas, mas seus versos demonstram toda a expressão de sua sensibilidade. “Os poemas dele, são poemas do cotidiano de alguém que observa a rotina. Você se vê nos poemas dele”.

“Esse trabalho faz com que as crianças abram a mente para a sensibilidade, para olhar o outro, ver que há um encanto por trás das palavras”. Esse encanto fez da ocasião um momento especial para todos. Por esse e outros motivos que Claudia aprecia o trabalho de Sirlei. Sendo, nas suas palavras, uma “cria” do colégio Gildo, ter a honra de participar de um evento como esse, nas dependências da instituição, trouxe muitas lembranças, encontros com pais e ex-alunos. “A gente tem um espaço para fazer alguma coisa legal e poder tocar o coração das pessoas aqui e ali, fazendo a diferença por onde passa”.

Foto: Correio do Povo

Expectativas muito mais que superadas

Felicidade maior ainda se manifesta nas palavras da professora Sirlei Fátima Kurta, que há anos trabalha a poesia de forma integrativa em suas aulas de português e fora delas, levando alunos para declamar em outras séries e promovendo eventos de declamação de poesias.

“É o meu primeiro ano aqui no Gildo”, relata. “Quando soube que havia ensino fundamental aqui, eu tive certeza de que foi Deus que preparou isso para mim. Na verdade, eu estava com um pouco de preguiça, porque foram dois anos trabalhando com o ensino remoto. Mas quando você volta para a sala de aula e vê o brilho nas crianças, você se motiva”.

Em todas as escolas que passou, Sirlei trabalhou a poesia. “Eu achei que não seria justo com os alunos não fazer aqui também”.

Inicialmente, era para ter sido um evento de pequeno porte, voltado mais para os alunos. Porém, com a empolgação do diretor, a ideia cresceu para uma dimensão maior. O evento não apenas expôs o talento dos alunos em palco, mas incluiu as famílias, tanto no prestigio quanto na interação. Após as declamações o colégio ofereceu um jantar para os presentes, a fim de comemorar o momento.

A emoção foi tanto dos alunos quanto dos pais e professores. “Quando eles entenderam que seriam o destaque da noite, eles tiveram outro brilho. Uma das alunas me disse que estava muito emocionada. Então eu fui passando calam para eles. Eu confesso que sou muito ansiosa, mas as expectativas foram superadas, muito mais do que eu esperava”.

Gerson é a escolha preferida da professora para eventos como esse. Sendo um poeta local, a sua presença valorizou o seu trabalho e as apresentações dos alunos, que perceberam que coisas simples podem virar um poema. “Eles veem que o poema sai do dia-a-dia. Basta colocar sentimento e emoção”, disse Sirlei em referência aos poemas de Gerson.

Quando as pessoas entendem um poema, elas se tornam sensíveis. Isso ficou claro para Sirlei enquanto observava, do palco, os pais e alunos. “Quando a criança foi declamar, a mãe olhava e gesticulava. Os pais foram os grandes motivadores. Eu falava para os alunos que quando eles fossem declamar, os outros colegas saberiam o poema um do outro também, porque acabavam assimilando em sala de aula”.

Para Sirlei, no mundo conturbando de hoje, é preciso trabalhar o coração. “Quanto mais cedo estimular a criança, melhor, com certeza será inesquecível para eles”.

Foto: Correio do Povo

Emoção e socialização

As alunas Brenda de Luca Bucher do 6º ano e Bruna Malagi do 7º ano destacam além da emoção do momento, a socialização entre pais e colegas. “Perdemos um pouco do medo e da vergonha que a gente tinha de falar em público”, conta Brenda. “Nas primeiras aulas todos tinham medo de errar. No dia, a pior parte foi o nervosismo, mas quando a gente subiu no palco e vimos que as pessoas gostaram, conseguimos nos acalmar”.

“Foi muito interessante aprender os poemas”, relata a aluna Bruna. “É uma forma de os alunos aprenderem a socializar com os outros, conhecer os autores e até aprender a escrever poemas, despertado o amor no coração pelos poemas dos outros alunos”.

Acompanhe nossas redes sociais e fique por dentro das novidades

 |   |   |   | 

Fique por dentro de todas

Se inscreva e receba as melhores notícias do Correio do Povo direto no seu e-mail