No dia do Rock, a Banda PowerDive, de Laranjeiras, fala sobre a viva cultura na região

“Não vemos a hora voltar para os palcos, curtir com a galera um som pancada, mantendo os laços do rock e do metal, que sempre nos dispomos a cultivar”, diz o guitarrista

Por Thamiris Costa

O Dia do Rock é celebrado anualmente em 13 de julho, sendo a data escolhida por conta do Live Aid, evento de rock que aconteceu nesta data em 1985, com objetivo de arrecadar dinheiro para fornecer ajuda humanitária no combate à fome na Etiópia. Apesar do nome, o dia só é celebrado no Brasil.

Na época em que essa comemoração começou a ser propagandeada, o rock era um dos principais estilos musicais no Brasil, e fala-se que os responsáveis pela divulgação da data foram duas rádios de São Paulo — a 89 FM e a 97 FM. Ambas eram especializadas no estilo, e o objetivo dos criadores da data era ampliar a divulgação desse tipo de som para conquistar mais fãs.

De lá para cá, o rock continuou perdendo espaço na mídia, e hoje não é muito comum vermos grandes bandas de rock na TV brasileira, por exemplo. Mas, ainda assim, a cultura sobrevive e é representada por artistas independentes em todo país.

PowerDive: a cultura do rock em Laranjeiras

Em Laranjeiras do Sul existem muitos artistas independentes e fãs que mostram que a cultura do rock n roll ainda está muito viva. Um exemplo disso é PowerDive, banda de rock em atividade desde 2018, formada por Jack Rose – vocalista; Paulo H. Vailati – guitarrista e backing vocal; Everton Beê – baterista; e Thiago Bitencourt – baixista e backing vocal.

O guitarrista conta que o nome escolhido advém de uma manobra de mergulho na aviação da Segunda Guerra Mundial. “Por isso a nossa logo tem um avião P-47, um dos caças utilizados pelos brasileiros no conflito, e também significa um momento de mudança de foco dos integrantes, em que cada um passou a “mergulhar” (Dive) mais na ideia de começar composições próprias”, detalha Paulo.


Além disso, o intuito da banda é levar ao público apoiador uma apresentação diferente, autêntica e carinhosamente planejada. “No ano passado lançamos um EP nas plataformas de streaming, com cinco músicas conceituais que abrangem histórias de vidas e personagens diferentes que estão lidando com problemas psicológicos e sociais causados pela guerra”, detalha o guitarrista.

A retomada das atividades

A pandemia de Covid-19 foi um dos motivos que levou a banda a interromper os ensaios e shows, mas nem por isso as atividades enquanto equipe ficaram paradas. “Utilizamos esse momento para fazer estudos individuais e mantivemos contato através do grupo do WhatsApp, fatores importantes para continuarmos a chama do projeto PowerDive”, contam.

Com o avanço da vacinação no município, eles explicam que possivelmente retornarão os ensaios já em agosto. Inclusive, também contam com ideias para iniciar um novo projeto autoral, mas nada oficial.

A PowerDive relembrou e agradeceu a irmandade que existe em Laranjeiras, onde há sempre uma integração muito grande entre bandas, músicos solos e o pessoal que gosta. “Também torcemos para que as casas apoiem essencialmente quem vive de música neste momento de retorno gradual de atividades, e que os contratantes continuem entendendo a importância desse meio cultural para a sociedade, como um todo”, relatam.

“Os shows e a presença do público que sempre nos acompanha foi uma ausência pesada nestes tempos, e não vemos a hora voltar para os palcos, curtir com a galera um som pancada, mantendo esses laços do rock e do metal, que sempre nos dispomos a cultivar na região”, conclui eles.

Confira alguns trechos do single lançado pela banda no Spotify: