Deputado Plauto pede auxílio emergencial e perdão de dívidas para micro e pequenas empresas

Os prejuízos estão se acumulando, juntamente com o desespero dos empresários que não estão vendo uma saída rápida para a grave crise

O deputado Plauto Miró Guimarães encaminhou dois pedidos ao governador Ratinho Júnior, solicitando apoio efetivo para micro e pequenos empresários do Paraná. Em discurso na tribuna da sessão remota na última quarta-feira (24), o parlamentar defendeu a necessidade da criação de um auxílio emergencial e o perdão de dívidas junto a Copel e Sanepar.

As medidas restritivas para inibir a proliferação do novo coronavírus, que entraram em vigor nos meses de fevereiro e março, por meio de decretos estaduais, além das ações adotadas pelos municípios, estão impedindo que diversos estabelecimentos comerciais abram as portas. Com isso, os prejuízos estão se acumulando, juntamente com o desespero dos empresários que não estão vendo uma saída rápida para a grave crise.

“É uma situação delicada, pois, de um lado é necessário combater a pandemia, mas por outro, as ações acabam trazendo consequências que impactam na economia de todo o estado”, afirma o deputado. Plauto argumenta que vem recebendo inúmeras mensagens de entidades representativas solicitando algum tipo de ajuda.

Sem ter como faturar, as contas de água e luz de muitos estabelecimentos estão se acumulando. “Já que essas empresas não estão operando e, por tanto, não estão consumindo os serviços da Copel e da Sanepar, é justo que essas contas atrasadas sejam perdoadas”, afirma.

Sérgio Petrochinski é dono de um restaurante no Jardim Carvalho em Ponta Grossa. O estabelecimento funciona há oito anos e segundo ele, nunca passou por uma situação como esta. Sérgio garante que já tomou todas medidas possíveis para manter aberto o Garage Jazz and Blues. “Fiz um empréstimo recentemente e um acordo com os meus funcionários para reduzir a jornada de trabalho e os salários. Mesmo assim, não sei por quanto tempo vou aguentar”, declara o empresário.

Há dois anos o restaurante faz vendas por delivery. Esse modelo representava 10% do faturamento, hoje as vendas não são suficientes para as despesas. “Em novembro eu ainda pagava as contas, mas quando vieram os decretos de restrição, tudo complicou”, relata.

Segundo o deputado, as declarações recentes do governador de que o Paraná não sofre com a falta de dinheiro e, por isso, está conseguindo enfrentar a pandemia, é uma esperança para que se faça um programa de ajuda aos micros e pequenos empresários.

Plauto também lembra que os aumentos constantes nos preços dos combustíveis, desde o começo deste ano, fizeram a arrecadação do estado aumentar. “Certamente temos dinheiro para um apoio emergencial para, pelo menos, dar a condição a essas empresas de pagar as contas e manter o máximo de empregos possível”, finaliza Plauto.

Fique por dentro de todas

Se inscreva e receba as melhores notícias do Correio do Povo direto no seu e-mail