Conheça a Osteopatia e como ela pode ajudar seu bebê

Ela não visa tratar um sintoma, mas sua causa, com manipulações que restabelecem a mobilidade correta do tecido orgânico

Desenvolvida pelo médico americano Andrew Taylor Still (1828-1917), a Osteopatia utiliza várias técnicas terapêuticas manuais, dentre elas, a da manipulação do sistema músculoesquelético (ossos, músculos e articulações) para auxiliar no tratamento de doenças. Still postulou as primeiras leis da Osteopatia, respeitadas até hoje e sobre as quais, todo tratamento deve ser baseado: O ser humano é uma unidade de função dinâmica; O corpo possui mecanismos de autorregulação que são por natureza de autocura; Estrutura e função estão relacionadas em todos os níveis; Para um funcionamento adequado todas as estruturas vasculares e nervosas devem estar livres no seu trajeto. É reconhecida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como prática para recuperação e manutenção da saúde.  No Brasil é reconhecida como especialidade da Fisioterapia, através da Resolução do Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (COFFITO) nº 220/2001.

Como funciona?

Osteopatia considera o corpo como um todo e é sustentada pelo princípio de que as várias estruturas que o compõem as  articulações, ligamentos, músculos, órgãos internos – são interdependentes: qualquer funcionamento incorreto de um elemento pode afetar os outros e desequilibrar todo o corpo. Consequentemente, ela não visa tratar um sintoma, mas sua causa, com manipulações que restabelecem a mobilidade correta do tecido orgânico. Essa terapia, reconhecida pela área médica, não é substituta da medicina convencional, mas complementar e muitas vezes faz toda a diferença. Ela é muito usada em adultos é conhecida por aliviar a dor nas costas, ciático e dor nas articulações, além de contribuir para o tratamento de doenças diversas como constipação, infecções urinárias, asma, dor de ouvido, enxaqueca, dificuldade para dormir e distúrbios de estresse. Vale lembrar que durante a gravidez pode ajudar a aliviar a dor e preparar seu corpo para o parto.

Para bebês

Apesar de trazer bons resultados em adultos, os bebês são particularmente receptivos a essa técnica, que geralmente produz efeitos espetaculares neles, ela auxilia a ter um sono mais tranquilo, no alívio das cólicas, refluxo, disfunções cranianas, problemas digestivos, choro contínuo, dificuldade em amamentar ou bronquite de repetição. Nas semanas seguintes ao nascimento, um check-up breve com um osteopata é sempre útil, pois os bebês sofrem pressões significativas no parto e que muitas vezes causam microtraumas. Essa sessão é altamente recomendada quando ocorre um parto difícil, se caso tenha sido um parto muito longo ou muito intenso e rápido, com uso de fórceps ou parto a vácuo, apresentação pélvica, parto induzido ou cesariana muitas vezes atrapalham o funcionamento normal das estruturas cranianas do bebê. Um osteopata será capaz de detectar esses problemas e resolvê-los rapidamente. Além disso, adquira o hábito de observar seu bebê com atenção, cabeça achatada na parte de trás, cabeça sempre virada para o mesmo lado, rigidez nos membros, posturas que parecem estranhas ou falta de energia são sinais que podem revelar pequenos bloqueios que um osteopata será capaz de corrigir.

Acompanhe nossas redes sociais e fique por dentro das novidades

 |   |   |   | 

Fique por dentro de todas

Se inscreva e receba as melhores notícias do Correio do Povo direto no seu e-mail