Transtorno bipolar: o que o caracteriza

Ainda que seja uma condição que não tem cura, é possível controlar as alterações de humor com os tratamentos específicos

O transtorno bipolar é um transtorno psiquiátrico caracterizado pelas constantes oscilações de humor, que vai da euforia à depressão. Podem ser chamados de mania ou hipomania e a incidência e intensidade variam.

Existem diferentes tipos de transtorno bipolar e todos eles afetam os níveis de humor, energia e eficiência do indivíduo. É possível que a pessoa manifeste estados de humor extremamente enérgico ou muito triste e sem energia.

A psicóloga Taiane Franco explica que os espaços de tempo são variados, podem ser de meses, semanas, dias até mesmo vários episódios no mesmo dia.

“Não se sabe muito ao certo a causa da bipolaridade, pesquisadores falam que podem ser decorrente de problemas fisiológicos, desequilíbrio nos neurotransmissores, fatores genéticos e o estresse podem ocasionar o comportamento bipolares’’, diz.

Geralmente os primeiros episódios de risco se apresentam na adolescência, costumam ocorrer entre os 15 a 25 anos de idade.

Sintomas

Alguns sintomas da bipolaridade no seu estágio depressivo são compostos por desânimo diário ou tristeza, dificuldade de se concentrar, de lembrar ou de tomar decisões, perda de peso e perda de apetite; comer excessivamente e ganho de peso, fadiga ou falta de energia, sentir-se inútil, sem esperança ou culpado, entre outros como a baixa autoestima.

Riscos

A psicóloga explica que o risco de tentativas de suicídio em pessoas com transtorno bipolar, é grande. E se os pacientes abusarem de álcool ou de outras substâncias, acabam piorando muito os sintomas.

As oscilações de humor podem ocorrer também de acordo com as estações do ano. Algumas pessoas, por exemplo, possuem picos de mania ou hipomania durante a primavera e o verão (estações mais quentes), e sintomas de depressão durante as estações mais frias, como o outono e o inverno. Para outras pessoas, acontece o oposto.

“Os riscos, podem ocorrer na fase depressiva, inclusive podem atentar contra a  própria vida e  entrar em um estado de depressão muito profundo, entrando até em apatia fora do normal e causar riscos a outras pessoas’’, explica.

Tratamento

A ajuda médica é importante para garantir a qualidade de vida de uma pessoa com transtorno bipolar. É perfeitamente possível ter uma vida normal mesmo tendo a doença. O tratamento, no entanto, é indispensável e deve ser seguido à risca.

“Os especialistas que podem ajudar nesses casos são: o psiquiatra e o psicoterapeuta”, finaliza Taiane.