1ª Festa do Agrofolclore de Quedas exalta a cultura polonesa

Evento que inicia hoje (5) comemora o dia do Agricultor e do Colono, além de homenagear o mês do folclore

Quedas do Iguaçu inicia hoje (5), a 1ª Festa do Agrofolclore. Evento acontece até domingo (7), contando com atrações que destacam o folclore e a cultura agrícola do município.

Segundo o secretário de Cultura e Esporte Jair Fontanella, o objetivo da festa é comemorar o Dia do Agricultor (25) e o Dia do Colono (28), além de homenagear o mês do folclore.

“A ideia surgiu durante uma conversa com o prefeito para criar uma festa tradicional”, conta Jair. Misturar a representatividade da agricultura familiar com o folclore e as forças produtivas do município”, ressalta.

Quedas tem influência do folclore polonês. Mais de 80% da origem do município é polonesesa. “A ideia do evento é juntar o folclore com a produtividade do agronegócio”, frisa Jair.

Uma das atrações do fim de semana, o Grupo Folclórico Polonês Jagoda, completou 37 anos em 19 de julho. “Além disso, temos uma das melhores invernadas artísticas em termos de centro de tradições gauchescas: o CTG Pealando a Saudade”.

Outro objetivo do evento, de acordo com Jair é fazer da festa uma tradição no município. “Vamos lapidar a ideia para que seja a primeira de muitas”.

A festa foi criada pela prefeitura por meio das secretarias em parceria com o Jagoda. “Quando organizamos uma festa, todos participam”, destaca Jair e completa: “Convido a todos os municípios vizinhos da região a participarem”.

História do Grupo Jagoda

A presidente do Jagoda, Danuta Sieijka Spacki, fala sobre a história do grupo, fundado em 1985 pelos pioneiros poloneses, pelo prefeito da época, Rui Schaedler e pelo secretário Jair. “Inicialmente, o grupo era formado somente por famílias pioneiras”, afirma Danuta. “Eles mesmos dançavam, faziam coreografias e músicas próprias”.

No seguinte, eles se empolgaram com a vinda de um grupo profissional de danças da Polônia e criaram um grupo de jovens de danças originais do país. “O prefeito e o secretário de Cultura contrataram um professor de Curitiba, formado em folclore polonês na Polônia. Então, as senhoras do grupo confeccionaram figurinos das danças conforme a região da Polônia, pois cada uma tem suas danças e características”.

O momento mais difícil do grupo foi durante a perca de dançarinos por causa do Covid-19. Ainda assim, o Jagoda nunca parou suas atividades. “Tivemos altos e baixos. Na maioria das vezes o grupo andou com as próprias pernas, alugando o clube para aniversários, casamentos, servindo buffet para pagar luz, água, trajes para dançarinos, manutenção, entre outras coisas”.

As expectativas para a festa são altas e a organização espera que o público compareça em peso, para prestigiar a cultura do município. “O público pode esperar um espetáculo de qualidade e também vão poder degustar de uma saborosa gastronomia”, finaliza Danuta.

Acompanhe nossas redes sociais e fique por dentro das novidades

 |   |   |   | 

Fique por dentro de todas

Se inscreva e receba as melhores notícias do Correio do Povo direto no seu e-mail