Amazon Studios e Prime Video doam fundo emergencial para profissionais de audiovisual

O Instituto de Conteúdos Audiovisuais Brasileiros (ICAB) lançou um fundo de auxílio aos profissionais atuantes na produção audiovisual brasileira não publicitária,

O Instituto de Conteúdos Audiovisuais Brasileiros (ICAB) lançou um fundo de auxílio aos profissionais atuantes na produção audiovisual brasileira não publicitária, com o apoio e doação do Amazon Prime Video e do Amazon Studios.

O Fundo oferecerá apoio aos profissionais que tiveram a sua renda comprometida devido à pandemia da COVID-19 e que exercem diferentes funções na realização audiovisual – do desenvolvimento às filmagens nos sets e à pós-produção.

Os profissionais que se enquadrem nos critérios de elegibilidade abaixo descritos poderão solicitar e receber o benefício do Fundo sob forma de doação em único depósito no valor de (R$ 1.045,00 – hum mil e quarenta e cinco reais)

É importante ressaltar que esse apoio não demanda qualquer vínculo, associação ou envolvimento profissional com o ICAB, com o Amazon Studios e/ou com o Amazon Prime Video, assim como também não caracteriza qualquer tipo de acordo contratual.

Quem pode solicitar

  • Brasileiros natos ou residentes permanentes no território brasileiro;
  • Atuam na área de produção brasileira cinematográfica e televisiva independente, excluindo produção publicitária, e que estejam incluídos na relação de funções elegíveis para o benefício;
  • Comprovem o exercício na função declarada e elegível no período a partir de janeiro de 2019 até esta data;
  • Possam comprovar que têm na produção audiovisual a principal fonte de renda desde janeiro de 2019 até fevereiro de 2021;
  • Que antes de janeiro de 2020 recebia de forma semanal, quinzenal ou mensal uma remuneração pelo exercício da função declarada e que deixou de receber essa remuneração periódica – entre janeiro de 2020 e fevereiro de 2021 – em virtude da pandemia da COVID-19;
  • Cuja remuneração total antes da pandemia não excedia R$ 8.000,00 (oito mil reais) mensais, desde janeiro de 2019 até janeiro de 2020, isto é, o período inicial da pandemia;