Cabo Ricieri Chagas vem a óbito, após seis dias da tentativa de assalto em Guarapuava

Ricieri estava internado na UTI do hospital São Vicente, e não resistiu aos ferimentos

Na manhã deste sábado (23), a polícia militar em comunicado confirmou a morte do cabo Ricieri Chagas, um dos policiais atingidos pelos assaltantes que estiveram em Guarapuava na noite do domingo de Páscoa. O policial teve a morte cerebral confirmada e a família optou pela doação de órgãos. O velório acontecerá nesse domingo (24) na Câmara de Vereadores de Guarapuava, mas ainda não há informações sobre o horário.

Chagas estava internado na UTI do Hospital São Vicente em Guarapuava. Ele deixa a esposa e um casal de filhos.

A Polícia Militar lamentou a perda do amigo e afirmou em nota que Ricieri teve uma carreira exemplar e extremamente operacional. E que, além disso, é conhecido por todo o país, por ter brilhantemente representado a Polícia Militar do Paraná na Força Nacional.

Carreira

Cabo Ricieri Chagas, natural de Campo Mourão, nasceu em 29 de outubro de 1973, ingressou nas fileiras da Corporação em 26 de Julho de 1995, onde ficou por mais de 29 anos. Ele atuou no 16º BPM e no Batalhão de Polícia de Fronteira.  Bem como, no 16º, esteve nos extintos Grupo de Operações Especiais (GOE) e Tático Móvel Auto (TMA), além da ROTAM e Pelotão de Trânsito.

De acordo com a nota publicada pela PM, por cerca de 15 anos Ricieri vestiu a camisa do Pelotão de Choque do 16° BPM. Ele “ostentava com honra o brevê do Curso de Controle de Distúrbios Civis (CCDC) em seu peito”.

Sua marca registrada sempre foi o amor à profissão. Era uma referência dentre os policiais do choque e seu legado para sempre será lembrado, finalizou a PMPR.

Acompanhe nossas redes sociais e fique por dentro das novidades  Facebook |  Twitter |  YouTube |  Instagram. Também temos nosso grupo de notícias no  Whatsapp, todo dia atualizado com novas matérias.

Fique por dentro de todas

Se inscreva e receba as melhores notícias do Correio do Povo direto no seu e-mail