Novo Ensino Médio terá aulas para alunos pensarem seus projetos de vida

A secretaria estadual da Educação e do Esporte vai implementar, em 2022, o projeto Novo Ensino Médio, no qual o

A secretaria estadual da Educação e do Esporte vai implementar, em 2022, o projeto Novo Ensino Médio, no qual o estudante terá de escolher um itinerário formativo de acordo com seus interesses e aptidões. Para fazer essa escolha de maneira consciente, ele contará com um componente curricular chamado Projeto de Vida, que vai ajudá-lo a identificar suas habilidades e preferências, além de prepará-lo para alcançar seus objetivos acadêmicos e profissionais.

Durante as aulas do Projeto de Vida o estudante vai desenvolver habilidades e receber apoio para pensar sobre seus sonhos e objetivos. Dessa maneira, ele estará mais preparado para optar por um itinerário formativo, que pode abranger uma ou mais das quatro áreas do conhecimento (Matemática; Ciências da Natureza; Ciências Humanas e Sociais; e Linguagens) ou uma formação técnica ou profissional.

De acordo com o projeto, o professor atuará como um mediador entre os estudantes e suas expectativas, auxiliando na construção das dimensões profissional, cidadã e pessoal de cada um. Essa orientação acontecerá, por exemplo, por meio de reflexões e atividades sobre o mundo do trabalho e as possibilidades de atuação profissional, incluindo conversas sobre carreira, emprego, renda, empreendedorismo e inovação.

Haverá, ainda, atividades que abrangem o desenvolvimento de aspectos físicos, cognitivos e emocionais dos estudantes, incluindo a construção da sua identidade pessoal a partir do reconhecimento de suas características e seus interesses. Também serão trabalhados conceitos de cidadania, com orientações relativas aos comportamentos sociais e aos valores éticos necessários à vida em comunidade.

Atividades práticas

O Projeto de Vida contará com diversas atividades práticas no cotidiano escolar, como observação participante e pesquisas para identificar problemas locais e suas soluções, elaboração de planejamentos para executar propósitos de vida, seminários de profissões, rodas de conversa, feiras de conhecimento, escuta ativa dos jovens por intermédio de grupos de diálogos, depoimentos e compartilhamento de experiências, entre outras atividades.

O professor do componente Projeto de Vida deverá ser alguém que atue como mediador, que incentive o estudante a buscar o autoconhecimento e a assumir um papel protagonista no planejamento do seu futuro. Portanto, o perfil é o fator mais importante na hora de escolher o docente que conduzirá as atividades, independentemente da sua área de formação.

Todos os professores desse componente curricular passarão por uma formação oferecida pela Secretaria da Educação antes de iniciar o ano letivo.

O Paraná conta com 24 escolas-piloto, 10 delas com oferta de Ensino Médio em tempo integral, que já oferecem Projeto de Vida em 2020. Ana Paula Tomazini é professora em uma delas, o Colégio Estadual Joaquim Maria Machado de Assis, no município de Santa Mariana. Ela conta que começou a trabalhar com o componente Projeto de Vida no início deste ano e que já desenvolveu com seus estudantes conceitos de identidade e autoconhecimento.