Federação propõe acordo a clubes da Liga Futsal Paraná

Com exclusividade, o Correio do Povo do Paraná apurou que a entidade pode desconsiderar punições às 12 equipes, desde que os árbitros da competição alternativa sejam os da Assofutsal

Após mais de 20 dias de paralisação da Série Ouro, a Federação Paranaense de Futebol de Salão (FPFS) propôs um acordo aos clubes que disputam a Liga Futsal Paraná (LFP). Conforme informações exclusivas do Correio do Povo do Paraná, a entidade ofereceu na noite de terça-feira (17) às equipes a retirada das punições impostas – multas e suspensões -, o que as reintegraria ao estadual, desde que os árbitros da outra competição passem a ser os da Assofutsal – os mesmos que trabalham nas partidas federadas. 

“Pensando na modalidade, nos compromissos dos clubes com seus patrocinadores, formulamos essa proposta. A condição para o chancelamento da Liga é que a arbitragem dela passe a ser da Assofutsal”, disse o assessor jurídico da FPFS, Eduardo Vargas

A Liga Paraná tem quatro próprio de árbitros/Foto: Reprodução

O posicionamento dos clubes da Liga

Diante da proposta, uma votação entre os 12 times punidos e a direção da Liga Paraná deve ocorrer nesta quinta-feira (19). O Campo Mourão defende que a Liga aceite o acordo. “Se isso não acontecer, os campeonatos não terminam neste ano. Todos clubes punidos recorreram ao STJD, em Fortaleza, e pelo que o nosso jurídico entende, isso vai se arrastar e não será julgado mais neste ano, vamos terminar o já duro ano de 2020, de forma ainda mais complicada, sem os campeões nas séries Ouro, Prata e Bronze, o que será péssimo para modalidade. Assim, o acordo torna-se o melhor para futsal paranaense”, argumenta o gestor do Carneiro, Anderson Hertz.

Cascavel é contra

A proposta não teve a mesma receptividade em Cascavel. “O que veio da Federação é uma confissão de que a Liga é culpada e que a FPFS é um ‘anjo’. Ainda mais depois daquela nota em que divulgaram. No início disso tudo, eles apoiavam a Liga e depois a trata como pirata. Nossa competição é constitucional, então eles sabem que uma hora irão perder a causa na Justiça e por isso querem empurrar esse acordo”, declarou Pedro Muffato Júnior, gerente de futsal do Cascavel e diretor-financeiro de Liga. 

O dirigente diz que não vê problemas num consenso com a Assofutsal. “Ela não pertence à FPFS e podemos ter um acordo. Mas, há alguns anos, ela nos enviou uma nota informando que só apitariam jogos da Federação, desqualificando a Liga. Estamos abertos ao diálogo, mas queremos independência. Em 2019, já abrimos mão de nossos profissionais. A Liga deve fazer uma contraproposta. Quem sabe, num jogo ter a arbitragem da Liga e noutro da ‘Asso’”. Até a publicação da reportagem, a FPFS não se pronunciou sobre as declarações do dirigente cascavelense. 


São Miguel

Da Série Prata, o São Miguel ainda não avaliou em definitivo a questão, mas crê na pacificação. “Pretendemos aceitar a proposta da Federação, mas acredito que precisamos rever um dos pontos do acordo, onde me parece que a Liga teria de assumir que errou”, disse o presidente Emerson Müller. 


Dois Vizinhos

Quem também não se decidiu é  o Dois Vizinhos. “Nós queremos transparência e apoio da Federação. Precisamos neste momento decidir o que for bom para o Galo e para o futsal”, diz o tesoureiro, Diomar Ruaro. 


Foz Cataratas

“Somos favoráveis às duas competições. O Foz não quer deixar a Federação. Para que isso seja possível, o acordo é fundamental, mas ainda não sei se nestes termos propostos pela entidade”, argumentou o presidente do Foz Cataratas, Adélio Demeterko. 


Palmas, Chopinzinho, Medianeira e Siqueira

A diretoria do Palmas ainda não se reuniu para definir a decisão, mas o vice-presidente e técnico André Carrinho disse ao Correio que deve partir para o acordo com a entidade. Chopinzinho, Medianeira e Siqueira Campos ainda reunirão suas cúpulas para definirem seus posicionamentos. O Marechal vai aguardar a reunião de quinta-feira para se posicionar. 


Toledo

No Toledo, o presidente Thiago Luís da Silva que pretende aguardar a reunião da Liga, amanhã, para dar um posicionamento definitivo. No entanto, ele adianta que a pretensão é recusar a proposta da FPFS. O Marreco não se pronunciou a respeito. 


Posicionamento da Liga

O presidente da Liga Futsal Paraná, Cristiano Bortolon, disse que aguardará o encontro com os dirigentes dos clubes para emitir um pronunciamento. 

Conforme a FPFS, caso haja consenso com os clubes, a Série Ouro deve retornar na próxima semana. 


O caso

Acordo selou a paz entre FPFS e Liga em 2019/Foto: Reprodução

Em 2019, a FPFS puniu com multa e suspensão de suas competições CAD, Cascavel, Foz Cataratas e Siqueira Campos por disputarem uma partida da Liga. Após o impasse, as entidades entraram em acordo. As punições foram desconsideradas e a Liga Paraná passou a ter a arbitragem da Assofutsal. 

Nesta temporada, 12 clubes filiados à Federação disputam a outra competição. 10 deles estão na Série Ouro: Campo Mourão, Cascavel, Chopinzinho, Dois Vizinhos, Foz Cataratas, Marechal, Marreco, Palmas, Siqueira Campos e Toledo. Das Séries Prata e Bronze, participam, respectivamente, São Miguel e Medianeira

No fim de outubro, a FPFS anunciou a abertura de um processo disciplinar contra os citados acima, argumentando que a Liga ocorre sem a sua concessão. Os clubes foram julgados pelo Tribunal de Justiça Desportiva (TJD-PR) e punidos novamente com multas e suspensão. Após ameaçarem pedir desfiliação da Federação, os dirigentes optaram por recorrer ao Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD).

Diante disso, a Série Ouro está paralisada. Apenas quatro integrantes da elite estadual não participam da Liga: Ampére, Pato, São José dos Pinhais e Umuarama.