Como lidar com adultos que têm autismo

O diagnóstico de autismo deve ser realizado por um especialista

Desde 2007, quando surgiu a data de celebração e conscientização do autismo, muito se fala em causas e diagnóstico para do Transtorno do Espectro do Autismo, principalmente para os tratamentos iniciais e precoces para a estimulação de uma vida com mais qualidade a partir da infância.
Porém, estas crianças crescerão e também serão necessários cuidados e abordagens diferenciadas para a vida adulta. Como também a educação na parte da sociedade, saúde, sexualidade, e cuidados com o autista na vida adulta e na velhice.

O que é autismo?

O Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) trata-se de um transtorno do neurodesenvolvimento que provoca diversos problemas e sintomas em diversos níveis para a vida toda no paciente.
Não existe uma cura específica para o autismo, porém existem tratamentos para ensinar repertórios comportamentais específicos que auxiliem na vida do indivíduo com TEA. Entre as intervenções pela ciência, quase todas são aquelas associadas a Análise do Comportamento Aplicada (ABA).
Atualmente é estipulado de que mais de 70 milhões de pessoas no mundo possuem autismo e no Brasil cerca de 2 milhões.

Principais sintomas de identificação e suspeita na idade adulta

Existem diversos sintomas que podem identificar o autismo na fase adulta, principalmente quando ele não se manifestou na infância.

• Poucos amigos e relacionamentos;

• Fuga de interações sociais;

• Dificuldade de entendimento, de gestos e expressões faciais;

• Dificuldade de se colocar no lugar do outro;

• Problemas para comunicação verbal;

• Necessidade de uma rotina;

• Problema no sono;

• Crises de ansiedade;

Inserção de adultos na sociedade

Quanto mais cedo for realizado o diagnóstico e o processo de desenvolvimento de habilidades com maiores, preferencialmente nas primeiras fases da infância. Deve-se buscar mostrar a realidade para o autista sem excluí-lo de qualquer grupo social. Fazendo isso, quando chegar à fase adulta já estará identificado dentro de grupos sociais. Os principais responsáveis pela inserção do autista na sociedade são os pais, terapeutas e a escola.

Diagnóstico depois de adulto

Muitas vezes o diagnóstico só acontece depois da fase adulta, isso não significa que ele surgiu depois de tantos anos, mas sim que seus sintomas estavam ocultos ou passavam despercebidos na fase de criança. Isso porque o adulto precisa de uma interação e um contato muito maior do que a criança, e quando isso se torna uma dificuldade acaba afetando a vida adulta.
Os sintomas mais comuns para o adulto com autismo é a dificuldade de interação, vontade de ficar sozinho por grandes períodos de tempo, Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC) e ansiedade.
Assim como as crianças, lidar com adultos que têm autismo também será necessária muita atenção e paciência, pois em cada fase da vida eles necessitam de mais cuidados especiais e estimulação para serem integrados na sociedade.

Idoso com autismo

Quando o autista chega à velhice, necessita dos cuidados comuns para pessoas com autismo, porém com o adicional de cuidados para pessoas idosas. Por este motivo, seu atendimento é muito diferente, o que torna difícil também encontrar algum tipo de clínica para seu tratamento na terceira idade.
O autismo possui o risco de algumas outras condições, sendo os principais a deficiência intelectual, epilepsia.

Acompanhe nossas redes sociais e fique por dentro das novidades

 |   |   |   | 

Fique por dentro de todas

Se inscreva e receba as melhores notícias do Correio do Povo direto no seu e-mail