Ato pró Bolsonaro, reuniu manifestantes de todo Brasil, inclusive de Laranjeiras e região

Em discurso, o presidente voltou a defender o afrouxamento das medidas de restrição social adotadas por governadores e prefeitos como forma de enfrentamento à Covid-19. Ele defendeu também a aprovação do voto impresso nas eleições de 2022

O presidente Jair Bolsonaro participou de manifestação promovida por agricultores e religiosos ontem (15) na Esplanada dos Ministérios, na capital federal.

O ato que foi organizado pelo Movimento Brasil Verde e Amarelo e pela Marcha da Família Cristã pela Liberdade começou na Esplanada dos Ministérios por volta das 9 horas. Entre os idealizadores do ato de apoio à Bolsonaro estão também,  a Associação Brasileira dos Produtores de Soja (Aprosoja Brasil), a Associação Nacional de Defesa dos Agricultores, Pecuaristas e Produtores da Terra (Andaterra) e a Associação dos Cafeicultores do Brasil (Sincal), Movimento Pátria Amada Brasil, Movimento Nas Ruas, Movimento Eu autorizo Presidente e Movimento Direita Parecis Agro.

Os manifestantes de todos os cantos do país, como de costume, vestiam camisetas verde e amarela, portavam bandeiras do Brasil e levavam cartazes pedindo intervenção militar. Entre as principais pautas estão o pedido pelo fim do isolamento social decretado por alguns governadores em decorrência da pandemia da Covid-19 e também a adoção do voto impresso auditável.

Em discurso em cima de um carro de som ele disse que os ministros de seu governo estão “perfeitamente alinhados com o propósito de servir à pátria e preservar a liberdade com o sacrifício até da própria vida, se necessário for” e que o Brasil se manteve de pé “graças ao homem do campo”. Bolsonaro disse, ainda, que se o Congresso Nacional aprovar o projeto de Bia Kicis, o Brasil terá voto impresso em 2022. Mais cedo, Bolsonaro almoçou com produtores e empresários do agronegócio e chegou na manifestação à cavalo para discursar aos seus apoiadores.

O presidente Jair Bolsonaro voltou a defender  o fim das restrições de circulação em meio à pandemia e afirmou que maior do que os Três Poderes é o poder do povo.

“O maior poder do Brasil não é o Legislativo, não é o Judiciário nem o Executivo, o maior poder são vocês”, disse Bolsonaro a uma multidão reunida em frente ao Palácio do Planalto.

Ao lado da ministra da Agricultura, Tereza Cristina, e do ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, o presidente disse que o se indigna e se prepara para segundo ele, mudar o quadro que avançava sobre o direito de garantias fundamentais.  “Vocês têm todo o direito de ir e vir, o direito à crença, o direito de trabalhar, e sem qualquer critério esses direitos foram suprimidos de vocês por algum tempo. Acabou esse tempo, isso não voltará a acontecer.”

 “Lamentamos as mortes por Covid, assim como as demais mortes do Brasil, mas devemos enfrentar o problema, não é ficando embaixo da cama em casa que vamos solucionar esse problema”, disse Bolsonaro.

Não houve divulgação do número de manifestantes que estiveram no local, mas pelas imagens divulgadas pela PMDF, o gramado central da Esplanada ficou praticamente lotado.