Paraná deve produzir 24 milhões de toneladas na safra de verão

Região de Laranjeiras tem projeção de queda na produção. A nova avaliação da safra 20/21 mostra uma manutenção da estimativa da área a ser cultivada

O Paraná deve produzir 24,3 milhões de toneladas de grãos em uma área de 6,09 milhões de hectares na safra de verão 2020/2021. O relatório mensal do Departamento de Economia Rural (Deral) mostra o encerramento da colheita dos cereais de inverno da safra 2019/2020, com volume de produção estimado em 3,76 milhões de toneladas, uma variação positiva de 37% em relação ao ano anterior, que se deve principalmente ao desempenho do trigo, com 3,05 milhões de toneladas, e à produção de aveias.

“Com isso, a safra total de grãos do Paraná no ciclo 2019/2020 soma 40,57 milhões de toneladas, volume 13% maior do que na safra anterior”, diz o secretário estadual da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara.

A nova avaliação da safra 20/21 mostra uma manutenção da estimativa da área a ser cultivada, com um crescimento de 2% na área de soja, que deve somar 5,56 milhões de hectares. “Neste relatório, ainda não é possível identificar os efeitos do atraso no plantio de algumas culturas devido ao clima seco, mas tanto a semeadura do milho quando a da soja estão praticamente encerradas”, afirma o chefe do Deral, Salatiel Turra.

Segundo Norberto Ortigara, os números mostram que pode ocorrer atraso na colheita da soja e na semeadura da segunda-safra de milho, tão importante para a segurança do abastecimento do Brasil para honrar contratos internacionais e acima de tudo para garantir o abastecimento das cadeias do leite, frango, suínos e do peixe. “Um movimento semelhante acontece em outros estados e, com o clima instável, os produtores estão em alerta”.


Região de Laranjeiras

No núcleo de abrangência da Seab em Laranjeiras do Sul, a projeção é de 653 mil toneladas. O carro-chefe local é a soja. Dela, são esperadas 511 mil toneladas de grãos, seguida pelo milhão, com 139 mil toneladas, e de outras culturas. Esta perspectiva refere-se a dados da semana anterior.

“Esse número tem um viés de baixa, pois não contempla os atrasos de plantio, de replantio, então estes números não refletem a realidade de campo. Temos áreas sendo replantadas. E como é início de semeadura, não temos 100% da soja plantada. É difícil para os técnicos estimarem com precisão as perdas. Comparando com a safra anterior, o número é 4% menor. E como disse, nos próximos levantamentos os números da safra tendem a ser menores”, explica o técnico do Deral, Edson Gonçalves.

O Deral em Laranjeiras do Sul abrange também Diamante do Sul, Espigão Alto do Iguaçu, Guaraniaçu, Marquinho, Nova Laranjeiras, Quedas do Iguaçu, Porto Barreiro, Rio Bonito do Iguaçu e Virmond.


Soja

Estima-se que o plantio da soja se encerre no Paraná nos próximos dias. Até agora, cerca de 97% da área está plantada. Embora algumas regiões tenham enfrentado problemas com o clima seco, o desempenho da semeadura está próximo da média dos últimos anos, quando o índice era de aproximadamente 98% no mesmo período, já que o clima registrado no início do plantio era semelhante ao deste ano.

Enquanto no ano passado o Paraná teve chuvas um pouco mais regulares, agora a seca é mais rigorosa. Assim, embora a safra de soja 20/21 possa ter bons resultados, não repetirá o recorde da safra 19/20. “As chuvas em outubro e novembro foram importantes para a cultura e deram condições para o produtor dar continuidade ao plantio, mas ainda não foram suficientes para garantir a safra até o fim”, explica o economista do Deral, Marcelo Garrido.

Os produtores estão atentos para as condições do clima. Em alguns núcleos regionais, se o clima não melhorar há tendência de redução de produtividade. Até o momento, 72% das lavouras de soja estão em condições boas e 24% médias. “Se as condições climáticas se regularizarem, podemos ter recuperação das lavouras”, acrescenta o economista.

Os preços são o ponto positivo para esta safra. Na última semana, a saca de 60 kg de soja foi comercializada por R$ 147, um aumento de quase 90% com relação ao ano passado, quando o preço era de aproximadamente R$ 77. Até agora, cerca de 42% da safra de soja está comercializada, impulsionada pela alta do dólar frente ao real. No mesmo período do ano passado, por exemplo, o índice de comercialização era de 22%.

Segundo o Deral, os produtores de algumas regiões do Estado estão fazendo replantio. Em outras, esta prática não está sendo adotada devido ao custo – especialmente com as condições climáticas desfavoráveis –, e para não comprometer o plantio da segunda safra de milho.


Milho primeira safra

Na avaliação do Deral, as condições da primeira safra de milho estão razoáveis e os preços estão remunerando bem os produtores. A área é semelhante à da safra passada, somando 355,5 mil hectares, e a produção estimada é de 3,4 milhões de toneladas.

Assim como a soja, o milho pode sofrer impactos em função do clima seco. Mesmo assim, as principais regiões produtoras, como Ponta Grossa, Curitiba e Guarapuava, podem ter bons resultados. Até agora, as condições das lavouras são 77% boas. “É preciso aguardar a evolução do ciclo nas próximas semanas. A irregularidade da safra pode comprometer a expectativa de produção, mas o mercado nacional deve ser bem abastecido”, analisa o técnico do Deral Edmar Gervásio. A primeira safra no Brasil pode chegar a 27 milhões de toneladas, o que pode pressionar os preços. Nesta semana, a saca de 60 kg é comercializada por aproximadamente R$ 68.