Guia da Série Prata: estatísticas, história e apostas do Campeonato

Começa nesta sexta-feira (16) a 26ª edição da Série Prata do Campeonato Paranaense de Futsal. Apucarana e São Miguel jogam

Começa nesta sexta-feira (16) a 26ª edição da Série Prata do Campeonato Paranaense de Futsal. Apucarana e São Miguel jogam às 18 horas, na abertura da competição. Às 19h30, em Paranavaí, o São Lucas recebe o CAD. A rodada terá complementação no sábado (17) com três jogos.

O Correio do Povo do Paraná, através do repórter esportivo Juliam Nazaré, preparou um guia com a história do campeonato, além de apostas, regulamento  e estatísticas dos clubes desta edição. Confira: 

História 

O retrospecto da Série Prata aponta equilíbrio. Em 25 edições, só dois clubes venceram a competição em mais de uma ocasião. O Ampére foi campeão em 2013 e em 2018. O Pato, por sua vez, levantou a taça em 2011 e 2016. 

Entre os times tradicionais que já faturaram uma Série Prata estão: Iate Clube Londrina (1996), Cascavel (1998), Atlético Patobranquense (2002), Umuarama (2003), Copagril (2004), Foz (2007), Marreco (2008), Caramuru (2014), Toledo (2015). Os dois últimos campeões foram Acel (2019) e Operário Laranjeiras (2020).

Além dos citados, venceram o campeonato: Autarquia de União da Vitória (1995), Serra de Maringá (1997), Missal (1999), Tagliari de Campo Mourão (2000), Itaipulândia (2001), Matelândia (2005), Santa Paula de Ponta Grossa (2006), Palotina (2009), Cascavelense (2010), Ivaí (2012) e Aymoré de Matelândia (2012). 

Segundona enxuta 

Mapa da Série Prata. Arte: Juliam Nazaré

Em 2021, a Série Prata contará com 10 integrantes – um a mais em relação ao ano passado. O certame segue não correspondendo a expectativa de anos da Federação Paranaense de Futebol de Salão: ter a segundona com 14 clubes, no mínimo. A entidade até “investiu” nisso. No ano passado, resolveu promover seis em vez de quatro clubes na Série Bronze. 

Mesmo assim, surgiram três impedimentos para que isso fosse alcançado. O primeiro, foi o cancelamento do rebaixamento na Série Ouro. Depois, a desistência de Bituruna, Pinhão e Pitanga, integrantes da competição em 2020. Por último, o Itaipulândia, promovido da terceirona, optou por seguir na mesma divisão. 

Diante disso, a Série Prata deste ano é composta por Aaema, Apaf, Apucarana, CAD, Fazenda, Mangueirinha, Medianeira, São Lucas, São Miguel e Seleto. Este último não disputou o estadual passado por conta da pandemia e conseguiu o consentimento de retornar à divisão. 

Território de gigantes 

Renovou: ídolo do CAD, Baiano (de cinza) tem como missão colocar o clube de novo na Série Ouro/Foto: Correio do Cidadão

Três dos mais importantes clubes da história do futsal paranaense compõem a segundona em 2021. A novidade é o São Lucas. O time de Paranavaí disputou todas as edições da Série Ouro entre 1995 e 2019. O ápice ocorreu em 2011, quando chegou à decisão do estadual, mas perdeu o título para o Cascavel. Rebaixado, optou por não disputar a Prata no ano passado e partiu para a Bronze. Com um elenco caseiro, sob o comando do experiente Carlos Giuliano, o Verdão chegou à semifinal e assegurou o acesso. 

Quatro vezes campeão da elite, o São Miguel inicia o certame após uma boa campanha em 2020. Na 1ª fase, o  Amarelinho foi o responsável por quebrar a invencibilidade do Operário Laranjeiras no Laranjão, mas depois perdeu o acesso para o mesmo adversário. Ainda assim, a 3ª colocação representou o melhor desempenho desde a volta do clube às atividades, em 2018.

O CAD é outro que inicia a temporada entusiasmado pelo retrospecto em 2020. Com investimento baixo, mas a presença do ídolo e técnico Eduardo Coelho (o “Baiano”), o time de Guarapuava foi 5º colocado. Para este ano, a permanência do treinador foi assegurada e a expectativa é pela volta à Série Ouro, da qual o clube está distante desde 2018. 

Quem pode surpreender?

Mangueirinha, de Vando Ronsani (à direita), chega à Prata após vice da terceirona. Foto: Mang Mídia

Se pelo peso das camisas CAD, São Miguel e São Lucas chamam a atenção, a Série Prata tem potências emergentes da modalidade. O Apucarana, por exemplo, trouxe o técnico Reginaldo Silva, ex-Pitanga, e reforços, como o ala Rodrigo Freitas, bicampeão estadual pelo Operário Laranjeiras. 

Vando Ronsani vai para a 2ª temporada no Mangueirinha. Após o vice da Bronze, o técnico ganhou reforços, como o goleiro Marcelo Dia, vindo do Marreco. Em Mariópolis, a Aeema, 4ª colocada em 2020, renovou com Márcio Borges. O Medianeira, campeão da terceirona, pode brigar por uma das vagas na Ouro. Correm por fora na briga pelo acesso Apaf, Fazenda e Seleto

Apucarana quer colocar o município do Norte-Central do estado de volta à Série Ouro. Reprodução

Regulamento

A 1ª fase ocorre em dois turnos. Os 10 clubes jogam entre si, totalizando 18 rodadas. Ao término, os dois piores serão eliminados. Os oito melhores avançam. Assim como noutras temporadas, não haverá rebaixamento nesta Série Prata. 

TABELA: CONFIRA TODAS AS RODADAS DA SÉRIE PRATA

Na 2ª fase, as equipes serão divididas em dois grupos, onde jogam entre si em turno e returno. Os dois primeiros colocados de cada chave classificam-se para a semifinal, que ocorre com duelos de ida e volta. Em caso de uma vitória para cada lado – independente do saldo de gols – os times seguem para a prorrogação. Quem tiver melhor campanha ao longo do certame garante vaga na final. Os finalistas asseguram também o acesso à Série Ouro de 2022

Números e estatísticas dos clubes

Aaema

  • Participações na Série Prata: 5 (2016, 2017, 2018, 2019 e 2020)
  • Em 2020: 4º (Série Prata)
  • Títulos: Não tem
  • Técnico: Márcio Borges
  • Ginásio: Élio Gehlen 
  • Cidade: Mariópolis
  • Mascote: Não tem

Apaf

  • Participações na Série Prata: 3 (2018, 2019 e 2020)
  • Em 2020: 7º
  • Títulos: Não tem
  • Técnico: Luiz Felipe Pacheco
  • Ginásio: Hélio Alves 
  • Cidade: Paranaguá
  • Mascote: Bagrinho

Apucarana

  • Participações na Série Prata: Estreante 
  • Em 2020: 5º (Série Bronze)
  • Títulos: Não tem
  • Técnico: Reginaldo Silva
  • Ginásio: Áureo Caixote (enquanto não há liberação do Lagoão)
  • Cidade: Apucarana
  • Mascote: Dragão

CAD

  • Participações na Série Prata: 3 (2005, 2019 e 2020)
  • Em 2020: 5º 
  • Títulos: 3 Série Ouro (2010, 2014 e 2015)
  • Técnico: Eduardo Coelho (Baiano)
  • Ginásio: Joaquim Prestes 
  • Cidade: Guarapuava
  • Mascote: Lobo

Fazenda

  • Participações na Série Prata: Estreante 
  • Em 2020: 4º (Série Bronze)
  • Títulos: Não têm 
  • Técnico: Caio Krueger 
  • Ginásio: Gurizão 
  • Cidade: Fazenda Rio Grande
  • Mascote: Índio

Mangueirinha 

  • Participações na Série Prata: Estreante 
  • Em 2020: 2º (Série Bronze)
  • Títulos: Não tem 
  • Técnico: Vando Ronsani 
  • Ginásio: Luiz Balbino de Moraes
  • Cidade: Mangueirinha
  • Mascote: Águia

Medianeira 

  • Participações na Série Prata: Estreante 
  • Em 2020: 1º (Série Bronze)
  • Títulos: 1 Série Bronze (2020)
  • Técnico: Marlos Heinrich 
  • Ginásio: Antônio Lacerda Braga
  • Cidade: Medianeira
  • Mascote: Não tem

São Lucas

  • Participações na Série Prata: Estreante
  • Em 2020: 3º (Série Bronze)
  • Títulos:
  • Técnico: Carlos Giuliano 
  • Ginásio: Antônio Lacerda Braga
  • Cidade: Paranavaí
  • Mascote: Não tem 

São Miguel

  • Participações na Série Prata: 4 (1997, 2018, 2019 e 2020(
  • Em 2020: 3º
  • Títulos: 4 Série Ouro (1998, 1999, 2000 e 2002) e 1 Liga Sul (2005)
  • Técnico: Marcelo Caverna 
  • Ginásio: Joelson Marcelino 
  • Cidade: São Miguel do Iguaçu
  • Mascote: Não tem 

Seleto

  • Participações na Série Prata: 3 (2017, 2018 e 2019)
  • Em 2020: Não disputou 
  • Títulos: Não tem 
  • Técnico: Guilherme Henrique 
  • Ginásio: Chico Neto
  • Cidade: Maringá
  • Mascote: Peixe

Fique por dentro de todas

Se inscreva e receba as melhores notícias do Correio do Povo direto no seu e-mail