Renato Mocelin justifica irregularidade do Coronel na Série Prata 

Time do Sudoeste corre risco de ficar fora da semifinal da segundona. Em Guarapuava, tentará, pela terceira vez na temporada, superar o CAD 

Há duas rodadas do fim da 2ª fase da Série Prata do Campeonato Paranaense de Futsal, o Coronel figura fora da zona de classificação. Depois de perder para Apaf e CAD, o time do Sudoeste venceu o São Miguel e empatou com a Apaf. Com quatro pontos, está a três do G-2. 

Desfalques importantes 

Para o técnico Renato Mocellin, o alto número de lesões na equipe tem sido preponderante para a falta de regularidade. “Começamos bem o campeonato, depois tivemos dois tropeços e então emplacamos seis vitórias. Só que, com as lesões, o elenco ficou enxuto e começamos a sentir o peso do curto intervalo entre os jogos. Então, caímos de rendimento”. 

Atualmente, Gaspar, Deilton, Jan, Tigela, Chico e Vini – nomes importantes do plantel -, estão machucados. “Não repomos as peças que perdemos. Em virtude da pandemia, passamos a treinar um período só. Atropelamos algumas etapas, tanto da parte tática quanto da prevenção de lesões. Pouca gente sabe, mas estamos com cinco jogadores lesionados. Esses fatores têm pesado. Tenho 15 atletas hoje – sendo três deles do time juvenil. As lesões não servem de desculpa, pois ocorrem também com outras equipes, mas elas têm influenciado ”.  

Favoritismo 

No ano passado, o Coronel foi o 3º colocado da Série Prata e por pouco não alcançou o acesso à elite. Em 2020, o time iniciou o certame rodeado de expectativas, sendo apontado como um favorito ao título. Diante do momento de ameaça de eliminação na segundona, o técnico vividense defende que o favoritismo não chegou a influenciar o elenco. “É uma coisa imposta pelos veículos de comunicação e pelos torcedores. Isso motiva o adversário, que vem aqui fazer o ‘jogo da vida’. Chegam com uma postura fechada. Estamos pagando por esse favoritismo”. 

CAD: terceira tentativa

O adversário deste sábado (31) é a legítima “pedra no sapato” do Coronel. O CAD venceu os dois duelos desta temporada. Ainda na 1ª fase, em Guarapuava, os comandados de Baiano aplicaram 5×4. Já nesta etapa do estadual, em duelo em Coronel Vivida, o jogo terminou em 3×1. 

Indagado se o fato de já ter enfrentado o adversário recentemente facilita no momento de traçar uma estratégia para o confronto, Renato Mocelin explicou que, neste caso, o CAD se apresentou com posturas diferentes. “Na casa deles, fizeram uma marcação forte e propuseram o jogo. Aqui, chegaram com marcação-baixa, jogando no contra-ataque”.

Todavia, ele reconhece a tensão do jogo. “Se eles vencerem, passam de fase. Se perdermos, estamos fora. Esperamos fazer um jogo”.