Janeiro Branco: como tratar ansiedade antes que se torne patologia

Em entrevista ao Correio do Povo, a psicóloga de Cantagalo Nezia dos Santos fala sobre a importância do autocuidado com a saúde mental

Lançada em especial no primeiro mês do ano, a campanha do Janeiro Branco surge com o objetivo de chamar a atenção da população para o autocuidado e a saúde mental, já que é neste período, em termos simbólicos e culturais, que as pessoas estão mais propensas a repensarem suas vidas.

A partir do lema “O Mundo Pede Pela Saúde Mental”, a psicóloga clínica com foco em transtorno de ansiedade Nezia dos Santos, em entrevista exclusiva ao Correio do Povo, dá dicas de como se organizar para lidar com a ansiedade. Confira a seguir:

Correio: Como perceber que a ansiedade está virando uma patologia?

Nezia: Quando se tem prejuízo social, na vida afetiva e no trabalho. A ansiedade se dá pelo fato de não conseguir conviver com o presente, com um sentimento excessivo de medo do futuro. Então há esse dano que faz com que as pessoas fiquem cada vez mais retraídas.

Correio: Quais são os sintomas frequentes?

Nezia: No caso das questões emocionais, como o corpo está reconhecendo esse perigo em várias situações, e de maneira desproporcional, os sintomas físicos se tornam visíveis, como: dificuldade para dormir, de concentração, sensação de taquicardia e sudorese. Existem casos em que a ansiedade é associada à mania, onde os pacientes arrancam os cabelos, roem unhas ou ficam balançando as pernas.

Correio: Qual é a forma de tratamento mais indicada?

Nezia: Uma das formas de não permitir que esses sentimentos se tornem recorrentes é investir em autoconhecimento através da terapia. Infelizmente, ainda existe muito tabu envolvido ao tratamento. As pessoas alegam ter medo de procurar um profissional, mas na verdade o medo é do julgamento. Quando finalmente encontram ajuda, muitas vezes é porque já chegaram ao limite.

Muitas pessoas vão à terapia pedindo para eliminar a ansiedade, o que é impossível. O que pode ser feito é treinar novamente o corpo para que ele reconheça os perigos reais e que apresente as emoções condizentes com aquele período.

Quando o paciente chega até o consultório com sintomas, de início buscamos identificar como funciona a frequência cardíaca durante uma crise e como ela aumenta e/ou diminui. Para isso, há uma técnica que ensina o paciente a respirar lentamente, fazendo com que ele relaxe, sinta a sua reação corporal e entenda os próprios sentidos e pensamentos do momento. Isso que é a terapia e tratamento psicológico.

Correio: Além da terapia, quais outras práticas controlam a ansiedade?

Nezia: A junção de uma boa alimentação, boa noite de sono, a prática de exercícios que exijam concentração, como ioga e meditação auxiliam para que o corpo relaxe e a mente fique tranquila. Entretanto, nada disso pode substituir a terapia. As práticas fora do consultório devem continuar ligados ao tratamento com o psicólogo.

Correio: Na sua opinião, qual a importância do Janeiro Branco?

Nezia: Buscar ajuda é, sobretudo, um ato de coragem. É isso que divulgamos no Janeiro Branco. Aqui, nós falamos da importância da ioga, respiração e terapia. Todos esses movimentos promovem qualidade de saúde, de vida e saúde mental.

Quando se está doente, procura-se o médico em busca de um remédio. Por que não fazer isso pela saúde mental? Por que não buscar ajuda quando está muito desgastante ou quando já se tornou uma patologia?

Quer ficar por dentro das novidades? Então nos acompanhe pelo Facebook | Twitter | YouTube | Instagram. Também temos nosso grupo de notícias no Whatsapp, todo dia atualizado com novas matérias.

Acompanhe nossas redes sociais e fique por dentro das novidades  Facebook |  Twitter |  YouTube |  Instagram. Também temos nosso grupo de notícias no  Whatsapp, todo dia atualizado com novas matérias.

Fique por dentro de todas

Se inscreva e receba as melhores notícias do Correio do Povo direto no seu e-mail